Crítica | Turma da Mônica Jovem vol. 23: Cebola, o Grande Palhaço

O vol. 23 de Turma da Mônica Jovem é a primeira parte de O Caderno do Riso, uma saga inspirada em Death Note (e que me motivou a assistir ao anime). Na segunda parte vou comentar sobre as características adaptadas da obra original e as melhorias feitas pelo roteiro de Petra Leão em relação ao de Tsugumi Ohba (sim, melhorias).

O vol. 23 apresenta uma expansão mitológica interessante. As Quatro Dimensões Mágicas e Monstros do ID tratam de ordens superiores e estruturas místicas que não se conectam ao único “arauto do bem” que conhecemos, o Ângelo. Aqui é dado o primeiro vislumbre de como as coisas funcionam no céu, ou seja, a função dos anjos.

Os anjos trabalham para ajudar os humanos a alcançarem mais alegria e felicidade. Para tal, constroem aparatos tecnológicos, como um robô gigante, sete esferas místicas realizadoras de desejos e um caderno que faz rir com a escrita do nome da pessoa. Por acidente, o caderno caiu na terra, e, como o Ângelo é irresponsável, um humano se apoderou de um poder divino.

Seria legal mostrarem mais dessa organização celestial, principalmente em termos de quando é permitido agir, afinal, o Ângelo é o único anjo que vimos até agora, mesmo com grandes ameaças dando as caras.

O fato de o caderno ter regras e o Cebola testá-las é muito bom para esclarecer a capacidade do caderno e rende boas piadas. É uma eficiente justificativa para o Ângelo permitir o uso do caderno, mas cria uma contradição com o prólogo.

No início do vol. 23, Cebola usa o Caderno do Riso sem estar testando nada, mas tal cena só poderia ocorrer caso ele tivesse escrito escondido do Ângelo, o que não é dado a entender em nenhum momento do vol. 23.

A divisão de opiniões quanto ao Grande Palhaço é natural, visto que todo grupo de pessoas tem as mais otimistas e as mais pessimistas, do tipo que olha para uma situação e enxerga apenas o que lhe convém, devido a sua incapacidade de perceber a floresta, em vez de uma única árvore.

Sim, a atitude da Mônica mostra sua inteligência minúscula. Não nos foi mostrado o Cebola atacando alguém simplesmente por essa pessoa estar mal-humorada e vimos que conflitos perigosos foram evitados por ataques de risos. Ainda que o prólogo cronologicamente tenha ocorrido mais tarde, a surra que o Xaveco deixou de levar já devia ser o suficiente para olhar para o Grande Palhaço com um viés mais positivo.

Contudo, se a birra da Mônica com o Grande Palhaço viesse ao final do vol. 23, eu tenderia a concordar, afinal, o Cebola atacou o professor treinador Átila apenas para mostrar seu poder, por puro impulso egocêntrico. Aqui vemos um desvio de caráter que complica um entendimento totalmente positivo quanto ao Grande Palhaço. Soranin estaria orgulhoso do Cebola de O Caderno do Riso.

Minha cena preferida foi aquela em que o Cebola confronta a Mônica e joga na cara dela como seu mau humor é incômodo para os demais. Ela é extremamente chata e, embora a derrota do Cebola seja iminente (o mal nunca vence), eu gostaria que o roteiro não fingisse que a Mônica estava certa, pois isto seria premiar sua má conduta (que foi premiada no odioso vol. 19).

Ainda sobre a Mônica, quando o Cebola a fez contar piadas sobre assuntos levantados pelo professor, veio dela sim a piada sobre o coração espaçoso da Magali, apesar de ela querer colocar a culpa no Grande Palhaço. Não é minha intenção reclamar desse pensamento da Mônica, pois é algo óbvio. O problema é ela achar que está certa, sabendo que realmente pensava aquilo (se não pensasse, não teria gaguejado quando a Magali confrontou-a sobre o assunto).

A inserção do Licurgo como o antagonista do Grande Palhaço foi uma ótima ideia. O jeito louco dele permite engolir suas deduções geniais e falhas ridículas, sem contar que é mais um elemento de humor muito funcional (assim como o Ângelo, cuja piada com seus nomes fora surpreendentemente engraçada). Com o número de suspeitos reduzido a quem estava presente durante o anúncio do professor treinador Átila, uma análise das vítimas escolhidas poderia levar a uma suspeita concreta do Cebola (especialmente por conta do ataque a Mônica).

Como o vol. 23 havia estabelecido o Ângelo como alguém fácil de dobrar, foi lógico tanto seu interesse em pegar de volta o Caderno do Riso quanto deixar ele com o Cebola (apesar de ter a impressão de que a última regra fora escrita à mão). Combinou com os traços da personalidade de ambos.

E o fechamento do vol. 23 apresenta um gancho muito bom. Alguém poderia ter descoberto o caderno do Cebola e o utilizado (porque o ataque funciona com hora marcada) ou poderia haver outro Caderno do Riso na terra. Qualquer uma das hipóteses representa outro desafio que o Cebola terá de enfrentar enquanto evita as suspeitas do Licurgo e da Mônica. Assim cria-se grande expectativa para o vol. 24.

O vol. 23 de Turma da Mônica Jovem é um ótimo início de uma aventura fantasiosa detetivesca com alguns toques de debate moral. É bom na forma, no conteúdo, na abertura e no gancho.


Deixe suas dúvidas, críticas ou sugestões nos comentários e siga o Blog do Kira por e-mail para não perder os próximos posts. Acesse o Podcast do Kira, um canal com versões em áudio de alguns textos daqui e conteúdos inéditos.

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s