Crítica | Fragmentos do Horror: uma antologia válida

Fragmentos do Horror é um mangá que reúne 8 histórias de terror. Ele foi escrito e desenhado por Junji Ito, um mestre dos quadrinhos de horror (infelizmente pouco publicado no Brasil). Esta obra contém seu tipicamente magistral traço e um apurado faro por diferentes (e sobrenaturais) fios condutores de narrativa.

Como Fragmentos do Horror é uma antologia, avaliarei cada conto individualmente (com spoilers totais). No todo, o mangá vale muito a pena para quem é fã de terror. É também uma boa forma de conhecer o trabalho de Junji Ito.

Futon

O cartão de visitas apresenta uma característica das histórias de Ito: um tipo de jumpscare em quadrinhos. Ele faz a preparação e encerra a página com a expectativa, para então surgir com uma página inteira ou uma página dupla de alguma cena bizarra. No caso deste conto, a visão dos monstros é assustadora e inesperada.

É plausível a explicação dada pelo homem, de que ele levou uma bruxa para a casa, e fiquei deveras frustrado com a verdadeira explicação: a visão que o homem e a mulher tiveram nada mais era do que uma alucinação, ocorrida devido a um fungo.

A princípio pensei que fosse impossível, porque há um momento em que o homem aponta para a suposta bruxa em meio aos monstros. Se ambos a vissem, não daria para justificar com um alucinógeno. Em uma segunda leitura percebi que não foi mostrado que a mulher via as mesmas coisas que o homem.

Outro nível de terror, este assustadoramente humano, está contido na traição do homem. Ele foi capaz de fazê-lo e manter em segredo, enquanto a mulher cuidava dele como se fosse um inválido. A ingratidão de quem faz uma coisa dessas é monstruosa.

Conto interessante, mas muito simples.

Monstro de Madeira

Esta história tem um ritmo interessante que vai administrando a esquisitice da Manami. Ela elogia a casa como se elogiasse um homem atraente, faz questão de morar lá e prefere passar a lua de mel lá a viajar. É estranho, mas não assusta.

Depois de trabalhar um pouco a naturalidade com a qual Megumi passou a enxergar Manami, Ito virou a chave e começou a incomodar. São três cenas principais: Manami nua se esfregando na casa, os olhos da casa se movendo e a Manami-boneco.

Os olhos até incomodam, mas a Manami é só estranha. O desejo dela pela casa a fez se fundirem. A casa adquiriu características humanas e ela ficou composta por madeira. Uma linda história de amor.

Nesta senti que faltou um final de impacto.

Tomio Gola Rulê Vermelha

A história da gola rulê é uma narrativa completa, com começo meio e fim. Esse tipo de construção a torna agradável e atende aos desejos de quem está acostumado a ver filmes. Há até flashbacks que aprofundam a percepção quanto aos laços de Tomio, Madoka e a bruxa, personagens de Futon.

Outro elemento espelhado de Futon é a traição de Tomio. Aqui, a vida lhe cobra o preço: ficar atormentado pela ideia de literalmente perder a cabeça.

Essa premissa de segurar a cabeça com as mãos é surreal e é muito angustiante ver o protagonista lutar para não desviá-la do lugar. Levando em conta que ela descolou totalmente, numa ótima cena, e nada mudou, creio que ele poderia ter ficado em paz mais cedo.

O surgimento dos bebês e o jeito que a cabeça magicamente colou no corpo foram abruptos, como uma sequência de Diabolus ex machina e Deus ex machina. Apesar disso, Tomio Gola Rulê Vermelha é um conto satisfatório.

Suave Adeus

Suave Adeus não é uma história de terror, mas sim um drama familiar com um pé no sobrenatural. É triste e muito mais envolvente que os contos anteriores. É interessante a apreciar como algo mais contemplativo e reflexivo. Assim, o plot twist pode ser de fato uma surpresa.

O conceito de criar a imagem residual combina com o desejo que as pessoas têm de não se separar daqueles que se vão. Ao mesmo tempo em que a imagem vai esmaecendo, enfraquece também o interesse que a família tem pelo falecido.

Se considerarmos que todas as imagens têm consciência, é um fim um tanto cruel e egoísta. Claro que a família pareceu achar que as imagens são reflexo do que eles projetavam, mas, ainda assim, é uma situação ruim de imaginar.

É curioso que a posição de Suave Adeus em Fragmentos do Horror valoriza seu plot twist, pois, depois de Futon e Tomio Gola Rulê Vermelha, é plausível achar que Suave Adeus também tratará de traição. Ponto positivo para a organização da antologia.

E o plot twist é lógico e triste. Nós vemos a solidão da Riko e como a família, incluindo o marido dela, está seguindo em frente. Não fazia sentido ela continuar naquela casa. O desfecho acabou não sendo um trágico vazio, mas uma emocionante escolha.

Até aqui, cada conto é melhor que o anterior.

Dissecação-chan

Este conto apresenta a bizarra Ruriko, uma mulher que, desde criança, é obcecada por dissecação. As cenas dela cortando animais sugerem que a ideia é ser uma trama de psicopata, mas logo o interesse dela passa a ser a própria dissecação.

Isso é estranho, mas não assustador. A loucura supostamente despertada por ela em que a cortou não é relevante. O que fica é só a cena em que coisas se movem no tronco dela, de forma bem incômoda, e o jumpscare, que parece querer explicar as coisas se movendo.

A qualidade da arte faz a página dupla ser bizarra e dar gastura, mas não há a mais remota justificativa para seu conteúdo. É apenas um choque pelo choque.

Pássaro Negro

Esta é uma história de terror redondinha. A situação do Moriguchi, sendo alimentado por uma mulher pássaro bizarra como se fosse seu filhote, é nojenta e assustadora. Acompanhamos a desventura dele pelos olhos de Kume e nos compadecemos de sua situação.

Pensei que o plot twist seria que a carne com a qual ela alimentava Moriguchi era dos pais dele. A revelação criada por Ito foi muito surpreendente porque foi além do que iríamos supor, já que viagem no tempo não foi um conceito utilizado no resto de Fragmentos do Horror.

O desfecho do novo amigo do protagonista é assustador e poderia sozinho encerrar bem o conto, mas houve a inserção de uma nova situação. Agora seria Kume quem passaria pelo sofrimento outrora de Moriguchi.

O curioso em Pássaro Negro é que a mulher pássaro salvou a vida de Moriguchi. Ele, que morreria em uma semana, ganhou alguns anos a mais. E como ela não se dispõe a afetar negativamente terceiros para efetuar seu salvamento, o preço é morrer sendo lentamente devorado. Boa história.

Magami Nanakuse

Este é mais um conto esquisito. Seu elemento assustador é interessante, mas parece que ele só existe em função de seu jumpscare, o qual é, sem dúvida alguma, a página mais assustadora de todo o Fragmentos do Horror.

Existe também um subtexto que referencia o que ocorre aos autores que entram em uma grande indústria. Ela os absorve e eles deixam de ter relevância, enquanto seu toque especial passa a ser o toque especial da indústria.

O que mais me interessou em Magami Nanakuse foi a dinâmica do movimento repetitivo e a imitação dele. Seria bom ver essa lógica sendo mais explorada, como a lógica da espiral o foi em Uzumaki, a obra mais famosa de Junji Ito.

O único problema é que o jumpscare não faz sentido, considerando que o tique da protagonista é a rigidez.

A Mulher que Sussurra

Assim como em Suave Adeus, em A Mulher que Sussurra Junji Ito mostra que possui habilidade para escrever drama. Nesta, o elemento sobrenatural não constitui algo ruim, mas a parte mais satisfatória da trama, cujo terror está no mundo natural.

Antes da revelação sobre a vida pessoal da Mitsu, o conto nos leva a crer que há algo “do mal” nela. É até possível esperar por algo nesse sentido vindo da Mayumi, já que a premissa de ser incapaz de tomar decisões é quase inconcebível.

Quando é explicado que Mitsu sofre abuso doméstico por parte de um sanguessuga que gasta seu dinheiro, é um soco no estômago. A situação é muito triste e é revoltante ver o Shigeki ignorar o sofrimento dela para que a filha continuasse tendo sua acompanhante hiperdedicada.

O desfecho não possui muita explicação para o que ocorre, mas nem precisava. Aquela afirmação da Mayumi é algo para lavar a alma do leitor e fechar com chave de ouro o muito bom Fragmentos do Horror.

Fragmentos do Horror é um mangá de terror que reúne histórias boas e médias, as quais, acompanhadas por uma arte de alta qualidade, merecem ser recomendadas a fãs do gênero. Clique neste link para comprar a edição em capa dura da Darkside na Amazon.

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s