Crítica | Chamada de Emergência (2013): um filme redondinho

Ficha técnica no IMDb

Quando Jordan, uma operadora veterana do 911, recebe uma ligação que mudará sua vida e a de Casey, uma adolescente que acaba de ser sequestrada, ela percebe que deve enfrentar um velho trauma para salvar a vida da garota.

Chamada de Emergência é um filme redondinho porque aproveita bem seus elementos e as informações que expõe, tornando-as um pouco mais que meros adereços. Não vou dizer que é algo genial, mas é inteligente e perceptível o suficiente para que o filme pareça muito bom.

O início do filme é, a certo modo, brilhante. Ele expõe as condições de trabalho dos operadores de chamadas de emergência (chamarei apenas de “operadores” a partir de agora) e encaixa a perspectiva do espectador nessa “ilha” da emergência.

Naturalmente, passamos a nos importar com a Jordan. Além disso, há o ganho com o suspense, pois o filme já começa num ritmo mais acelerado. Existem filmes que fazem introduções lentas para melhorar a qualidade dos personagens e outros tantos que dispensam a introdução, trocando a qualidade dos personagens pelo ritmo intenso. Em Chamada de Emergência, a profundidade da protagonista é reforçada justamente pelo ritmo intenso.

Num segundo momento, quando surgiu a chamada da invasão domiciliar, pensei que fosse o início do enredo “de verdade” do filme. Me empolguei, vibrei e torci por aquela garota. Esse envolvimento não só me fez ficar surpreso com o desfecho como também me impactou muito emocionalmente. Em outras palavras, eu absorvi a emoção da Jordan e sofri pela ação dela que condenou a garota. Nem sempre é possível salvar as pessoas.

Chamada de Emergência foi tão eficiente em me conectar à Jordan que acompanhei as reações dela ao longo do enredo. Nas primeiras chamadas, fiquei apreensivo junto com ela. Essa sensação me auxiliou a comprar a noção de que a Jordan ficou traumatizada com aquilo. Em 15 minutos já se desenhava um personagem principal de qualidade.

E eis que surgiu o outro núcleo. O blá blá blá das duas moças serviu para nos apresentar à vítima principal do filme e introduzir o conceito do celular pré-pago, muito importante para o desenvolvimento da perseguição. É um exemplo dos aspectos que o filme sabe inserir e aproveitar.

Esse pedaço inicial de Chamada de Emergência é muito bom e o resto do filme traz uma ambientação cheia de adrenalina (o que, ao final, acaba sendo um incômodo). Só com isso ele já me ganhou, mas decidiu ir além.

A transição entre a Jordan instrutora e a Jordan operadora é orgânica e trouxe muita naturalidade para aquela situação, não ficando claro que era só um filme explorando o que é relevante para o argumento.

O transcorrer da perseguição em si é legal porque Chamada de Emergência conseguiu inserir pessoas preocupadas no meio do caminho sem que elas fossem completas tapadas. O esquema do farol e da tinta também agregaram interessantes possibilidades de afunilamento da busca. Ressalto a boa interação da Jordan com a Casey, tentando acalmá-la.

Quando a ligação é encerrada, acaba a parte boa da Jordan no filme. A partir daí, ela deixa de ser uma operadora (um núcleo de personagens bem legal, acrescento) e assume o papel que devia ser da polícia: localizar, averiguar e confrontar.

Não que não seja legal toda a briga dela e da Casey com o Michael, mas acaba traindo a ambientação tão bem construída por Chamada de Emergência. Basicamente, ele vira outro filme. Ele terminou no momento certo, sem sombra de dúvida, mas aquela atitude de ambas as personagens não condiz com o que havia sido apresentado, com o que eu esperava delas.

Por causa dessa mudança brusca, Chamada de Emergência não é um ótimo filme, mas continua sendo redondinho. Digo isto por conta dos elementos que ele aproveita bem, como a frase usada pelo Michael duas vezes e que encerra o longa. Além disso, posso citar a identidade escondida do invasor domiciliar, o fato de haver uma pá no carro e o barulho ouvido pela Jordan na gravação da chamada.

Esse tipo de aproveitamento do que é mostrado torna o filme mais robusto, mais sério e digno de notas positivas. Ele encerrou no ponto certo e não precisou de diálogos expositivos para explicitar a motivação do vilão, outro destaque. Por tudo isso, ainda que não seja perfeito, Chamada de Emergência é um suspense de elevada qualidade.

Por último, é importante observar que o final do filme falha também em execução, com cenas escuras e tremidas difíceis de compreender. Eu mais deduzia do que sabia quem estava fazendo o quê.

Observação: um fortalecedor da empatia que senti pela protagonista foi o fato de ela ser quase tão espectador quanto eu, em relação às chamadas que atendia.

Observação 2: a cena do recado para a mãe foi excelente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s