Crítica | Arco introdutório de Naruto

Naruto é uma obra longa demais para ser reduzida a uma única análise, então decidi complementar adequadamente os posts que já existem no Blog do Kira com análises arco a arco. A prioridade é considerar o que os elementos significam sem o conhecimento do resto do mangá, mas acontecerá de eu relacionar detalhes. Essas relações podem contar positiva ou negativamente para a obra, mas não para o arco analisado.

A primeira página do mangá apresenta de forma épica a história do enfrentamento da Kyuubi com o Quarto Hokage. Essa pequena introdução é suficiente para explicitar o desejo do Kishimoto de escrever uma lenda, o que diz muito sobre o rumo que o enredo toma no final.

Embora o Naruto não tenha respeito pelos Hokages, suje o monumento dos Hokages e não se importe com os ninjas superiores que o repreendem, quando o Iruka briga com ele, ele fica nervoso. Mesmo no início, ele já demonstrava ter algum nível de admiração pelo Iruka. Essa é uma competente fundamentação do laço entre eles e da noção de que o Naruto é capaz de respeitar.

Depois de ser levado para a Academia, na atividade de se transformar no Iruka, o Naruto se transformou numa mulher. Isso segue daquela zoeira no monumento e estabelece o Naruto como um garoto brincalhão imprevisível, sua marca registrada.

Após esse início voltado ao humor, Naruto dá seu primeiro passo no drama, com o Naruto limpando o monumento e dizendo que ninguém o espera em casa. Não sabemos tudo sobre ele nesse ponto da história, mas a reação triste do Iruka e o modo como ele contorna a situação, chamando o Naruto para comer um lámen, indicam que o buraco é mais embaixo.

Histórias de fantasia costumam usar algum personagem novato pra que os diálogos expositivos sobre o mundo não soem didáticos demais. O Kishimoto foi muito bem nessa parte e ligou a ação do Naruto no monumento a um momento reflexivo do Iruka com ele, pois o Iruka não entende o motivo de o Naruto zombar de pessoas tão importantes.

Embora eu goste da explicação sobre o que é um Hokage e o desejo do Naruto de ser superior a eles, me incomoda o jeito que o Quarto Hokage é mencionado novamente, sendo que a história dele com a raposa de nove caudas fora contada na primeira página no mangá. Isso soou artificial.

Acrescento a essas explicações o jeito que o pedido do Naruto de experimentar a bandana do Iruka leva o leitor a ter reforçado o conhecimento de que no dia seguinte ocorrerá a prova final e também saber que quem passar terá o direito de usar a bandana.

Isso da bandana é importante ao longo do mangá. Além da relevância simbólica geral, com as bandanas riscadas da Akatsuki, tem a importância para o próprio Naruto. Nota-se isso quando o Naruto diz para o Sasuke colocar a bandana antes deles lutarem no hospital e, claro, tem todo o drama narutesco de estar com a bandana do Sasuke e querer devolver, ao longo do Shippuden.

Na prova da graduação, o Naruto falha em fazer clones decentes e acaba reprovado. Esse é o estopim para a famosa cena do balancinho. A página desse momento é bem pesada. Todos foram aprovados, todos têm bandanas e estão comemorando em família.

Além de estar sozinho, o Naruto já disse que não tem ninguém esperando por ele. Essa página sintetiza bem a tristeza do Naruto e exemplifica o desprezo das outras pessoas por ele na figura da mulher que diz que ele não devia ser um ninja.

É interessante como o Kishimoto vai alternando os elementos que seriam bem importantes ao longo da obra. Tem o humor com o Naruto desmaiando o Hokage usando o Jutsu Sexy, o Naruto prestes a treinar e um flashback bem pesado do Iruka no ataque da raposa. Aliás, o desenho da raposa é incrível e assustador.

Esse é o mundo ninja. Mizuki enganou seus companheiros de Vila e usou uma criança para conseguir poder. Assim como manipulou os sentimentos do Naruto para que ele roubasse o pergaminho, Mizuki tentou enfurecer o Naruto contando a verdade. Reagindo ao ódio que via ser derramado, Iruka explicou que entendia o Naruto, entendia seu sofrimento.

O entendimento também é um elemento-chave da obra. Ele é essencial na relação do Naruto com o Sasuke e na visão de mundo do Pain. É essa compreensão do Iruka que salva o Naruto do ódio e o transforma no que nós conhecemos: alguém disposto a lutar contra qualquer um para proteger um amigo.

A recompensa ser a graduação carimba esses traços de personalidade do Naruto. Isso fecha o primeiro capítulo do mangá de forma incrível. É muito bom e demonstra, basicamente, tudo o que compõe a obra: humor, esforço, passado triste e laços afetivos (claro que esses elementos são comuns em mangás shonen, mas me refiro ao fato de eles terem o estilo que teriam ao longo de todo o mangá).

No segundo capítulo, somos apresentados ao Konohamaru, o neto do Hokage que é visto apenas como neto do Hokage, sem ter uma identidade própria. Ele admira o Naruto porque o Naruto não liga para o parentesco.Hokage  A dinâmica deles é divertida, mas o Konohamaru é relevante só nesse começo e lá no arco Pain. Coisas de Kishimoto.

Outro personagem que aparece no começo parecendo ser relevante é o Ebisu: um treinador de elite que odeia o Naruto e trata o Konohamaru como um servo trata seu senhor. Ele é útil apenas para mostrar sua visão simplista e imatura do que é ser Hokage, demonstrando, ironicamente, a maturidade do Naruto.

A apresentação da Sakura e do Sasuke traz consigo um humor pateta e incrivelmente bobo. Eu até aceito o beijo do Naruto com o Sasuke e o jeito grosseiro da Sakura para com o Naruto, mas ela bater nele por causa do beijo é ridículo e não faz o menor sentido. Para uma história até então equilibrada, o clima acabou destoando demais.

Quando o Naruto usou de todas as suas habilidades furtivas para fazer a coisa mais ninja que fez na obra inteira, ele se transformou no Sasuke para saber o que a Sakura pensava dele. Assim como todos, ela o odeia. Segundo o que vimos, odeia sem motivo. Mais ainda, ela mostra ser um lixo de pessoa dizendo que o Naruto é sortudo por não ter os pais enchendo o saco. E ela ainda foi extremamente burra de falar isso para o Sasuke, que é órfão também.

Com a bronca do Sasuke nela, já dá para saber que, apesar de ser meio babaca, ele não é infantil como ela. A apresentação para o Kakashi deixa tudo mais claro. O Naruto quer superar o Hokage e ter a existência reconhecida pelas pessoas da Vila da Folha; o Sasuke tem grande apego familiar e quer matar um certo alguém; a Sakura gosta do Sasuke e não gosta do Naruto. É só isso que ela tem de relevante. Mesmo com tão pouco tempo de história, ela consegue ser um personagem frustrante, se comparada a seus colegas protagonistas.

É inusitado que o leite estragado que atrapalhou o Naruto em sua tentativa de conhecer a Sakura funciona como uma preparação para a virada dele contra o Kiba. Esse Kishimoto acerta cada uma.

Sobre a prova dos guizos: o objetivo do Kakashi era colocar a equipe em atrito interno. A missão era pegar os guizos, mas, inevitavelmente, um ficaria sem os guizos, sem almoço e sem se graduar.

Os conceitos ninja passados pelo Kakashi são legais, rola umas piadas boas, como o mil anos de dor, e se destaca o jeitão de cada um. O Sasuke é o mais forte, o Naruto é o mais espalhafatoso e a Sakura o mais inútil.

Apesar de o Kakashi ter deixado o Naruto chegar tão longe, a estratégia de imobilizá-lo foi inteligente e uma amostra do que ele viria a fazer mais no futuro. Ele não é um completo tapado. Só um pouco.

É engraçado que quando o Sasuke explica o Jutsu de Substituição surgem quadros expositivos bem didáticos. O Kishimoto sempre gostou de fazer isso.

O Kakashi ensinou ao Naruto, na prática, que é preciso saber virar o jutsu do inimigo contra ele próprio. Considerando o que o Naruto fez contra o Kiba e contra o Neji, podemos concluir que ele foi um bom aluno.

Depois do primeiro capítulo, o melhor momento é quando o Kakashi explica a natureza da prova aos protagonistas. É uma síntese do que é a vida ninja. O trabalho em equipe é essencial, pois o objetivo da missão é mais importante que o objetivo individual dos ninjas. É mais ou menos como a ideia da Floresta da Morte, só que bem mais inteligente.

O Kakashi deu um banho de realidade nos personagens e no público, diante do memorial dos ninjas que morreram em missão, o lugar onde o nome do Obito está. Às vezes sinto que o Kishimoto devia ter deixado de lado o excesso de comédia, pois esse lado sério é muito, muito bom.

Na segunda chance, o time 7, graças ao Sasuke, foi o primeiro a ser aprovado pelo Kakashi. Seguindo o lema do Obito, abandonar os amigos é pior do que quebrar as regras. Depois da explicação sobre o objetivo da prova, fica meio óbvio o que deve ser feito para vencer, o que torna tão aparentemente fácil que soa irreal mais ninguém ter sido aprovado.

Esse arco introdutório esclarece ao leitor muito bem o que é o Naruto e seu sonho de ser aceito, apresenta o suficiente do desejo de vingança do Sasuke, explicita a inutilidade da Sakura e constrói adequadamente os elementos do mundo e das técnicas ninja.

Ele é muito bom e lança detalhes que são importantes mais para frente, embora também exiba personagens que praticamente deixam de aparecer dali em diante.

Versão em áudio

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s