Crítica | Perdedores e Vencedores (1983): propaganda enganosa?

Ficha técnica no IMDb

Cinco ex-prisioneiros decidem viver honestamente, mas acabam pegando as chapas usadas por um gângster para falsificar dólares falsos. Eles precisam se livrar dos pratos e também resgatar a irmã de um deles, sequestrada pelo gângster.

Depois de ler que O Grande Lutador (1980) foi o primeiro filme americano do Jackie Chan, decidi assistir aos filmes dele disponíveis no Prime Vídeo, do mais antigo até o mais recente. O pôster de Perdedores e Vencedores tem o Jackie Chan e um ator que trabalha no Dragões Para Sempre, um filme que eu gosto muito. Imaginei que este filme seria muito bom também, mas estava radicalmente equivocado.

Perdedores e Vencedores é uma propaganda enganosa porque o Jackie Chan é praticamente irrelevante ao longo do filme e mal aparece. Por ter um preconceito bem estabelecido em relação aos filmes dele, avaliei o filme considerando-o uma ação com pitadas de comédia. O problema é que o filme está muito mais para uma comédia com boas doses de ação.

A sinopse colabora com a propaganda enganosa, mas é algo a frisar no final da crítica.

A cena de abertura tem uma boa piada com o ladrão sendo confundido com o aniversariante. O jeito acelerado que ela se desenvolve é estranho, o beijo forçado na mulher é ruim e a fuga numa corda que leva direto à viatura é um pouco demais. Essa é uma boa amostra do conteúdo de Perdedores e Vencedores.

Há uma série de cenas para introduzir os personagens principais. Na primeira, gostei da piada com os homens saindo com as prostitutas da manifestação, mas não entendi a dos manifestantes brigando com o líder; a cena do ladrão de carros sendo pego é ok e não tenta fazer uma grande piada; a cena do ladrão de relógios é bem criativa com o truque de fingir ser baleado.

O último apresentado é CID 07, o personagem do Jackie Chan (que chamarei de Jackie): um policial impulsivo que espanca um suspeito até ele confessar o que não fez.

Essa introdução mais ou menos explica como o grupo principal se conheceu, mas não esclarece a saída simultânea deles da prisão. Na saída, há um tapete vermelho para a filha do mafioso abraçá-lo. Cartunesco demais, mas o comboio de carros de luxo vermelhos foi legal.

A piada da sequência do ônibus, com o grupo fingindo que foram presos por agressões a motoristas, é ótima. Um tempo antes houve uma piada tosca com um personagem imitando som de pneu estourando para fazer algum carro parar e talvez dar carona ao grupo. Entre altos e baixos.

Troca o foco para o núcleo da máfia, onde o vilão está sentado diante de uma mesa comprida com uma luz o destacando dos demais, como um holofote. A mesa comprida eu aceito, mas o holofote não tem como.

Naquele momento em que os personagens principais estão em uma espécie de parque de diversões, eles fazem um plano que inclui bater em pessoas que assistem a apresentação de um artista marcial, mas não é explicado o que eles pretendiam. Além disso, a piada do manifestante batendo em um lutador é ruim.

Tem uma piada com um deles cantando em um walkie-talkie a pedido dos outros e surge perto dele uma família que forma uma bandinha. É engraçadinho, mas fez eu me perguntar se fazia sentido continuar assistindo a este filme.

No fim desta sequência, o papo do Chaleira (o único do grupo que eu assimilei o apelido) com a mulher é até agradável. Eu estava tentando apreciar o momento, mas surgiu o manifestante (irmão dela) com a piada de bater nos pretendentes.

É muito ruim e bobo, como o resto dessa parte do rolo amoroso. Várias vezes o roteiro tenta fazer piada com a mulher sendo objeto de desejo do grupo, mas não funciona. Talvez funcionasse em Pica-Pau, mas aí entra uma reflexão que farei mais adiante.

Com 40 minutos de filme, após uma sequência do grupo agindo como trabalhadores uniformizados, o Jackie senta à mesa da lanchonete com o Chaleira e lança a excelente frase: “gordão, preciso da sua namorada rapidinho”.

Há um assalto e os dois saem no tapa com os ladrões. A coreografia é legal e parece bem executada, mas o jeito acelerado atrapalha demais a experiência. Gostei muito em função de a cena colocar o ator que participa do Dragões Para Sempre para contracenar com o Jackie.

A piada do homem que estuda invisibilidade e acha que pode ficar invisível é ridícula. Os amigos o induzem a ficar pelado para as roupas não o tornarem visível e ele o faz. Depois, fica na frente da TV tirando onda, enquanto os amigos fingem que ele está invisível.

Em Chaves seria engraçada, mas aqui eu espero um enredo concreto, não as peripécias de um grupo de amigos (ênfase em “eu espero”). O mais interessante é que eles estão assistindo a uma partida da seleção brasileira com a italiana. Deve ter sido uma referência à Copa do Mundo de 1982.

Durante as peripécias do peladão, percebi que precisava parar de esperar Jackie Chan e apreciar o humor, o que mudou muito a minha experiência. É uma sequência besteirol, mas até engraçada.

O complicado é que o peladão vai espiar a mulher no banho, cogita a possibilidade de tocá-la e tenta artimanhas para fazê-la ficar descoberta na frente dele. Esse nível de perversão foi um pouco demais para mim, mesmo a mulher sendo tratada como objeto de desejo ao longo do filme. Os amigos o repreenderam, mas a mulher não disse nada. Ué, ela não ligou?

Há uma sequência do Jackie numa competição de manobras de patins, algo semelhante ao que ocorre em O Grande Lutador. O homem da máfia que carrega a encomenda mencionada na sinopse é roubado e o Jackie vai atrás dos ladrões. A maleta vai parar na van do grupo. Conveniente, mas aceitável.

É bem divertida a sequência do Jackie perseguindo os ladrões. Ele vai se segurando em carros, toma uma moto em movimento e os alcança. Ele diz para eles pararem, eles freiam e causam um demorado engavetamento. Perdedores e Vencedores andou para que Premonição 2 pudesse voar.

Devido ao prejuízo causado por sua atuação, o Jackie vira guarda de trânsito. Ele para a van do grupo após passarem um sinal vermelho, o Chaleira tenta convencê-lo fazer vista grossa e não funciona.

Nesse momento eu percebi que o plot do filme ainda não tinha unido de forma relevante o Jackie e o grupo. Mesmo as aparições da máfia próxima a eles são pouco importantes, considerando o que se espera daquela sinopse. Esse é provavelmente o maior problema de Perdedores e Vencedores.

O grupo vai limpar a mansão da máfia, a limpeza é deixada de lado sem que sua finalização seja mostrada e avançamos no tempo para uma festa da máfia. E nada de o grupo abrir a maleta.

Esse trecho pode ser descrito como “os penetras xavequeiros na festa da elite”. Não é lá muito engraçado vê-los nos xavecos e fingindo serem importantes.

Depois que o manifestante entrega um cartão da empresa de limpeza, o mafioso descobre que o grupo que pegou a maleta está lá. Podiam ter descoberto antes deles serem contratados para limpar a mansão, pois faria mais sentido.

Após 1h20min de filme a máfia chega ao grupo e nem sinal da relevância do Jackie Chan.

A sequência da festa é uma pérola. A ação acelerada é ruim, mas as piadas com um homem agindo como o Seu Madruga (rodeando e dando pulinhos) e os combatentes parados fazendo pose (pensando “se ele fizer isso eu faço aquilo”) são ótimas. A confusão generalizada é engraçada e até a irmã luta. No fim tem bola de fogo e eles incendeiam a mansão.

O mafioso b percebeu que o grupo tinha a maleta e os sequestrou para obtê-la. Faltando 20 minutos para o filme acabar, a máfia b pegou a irmã como refém. O que a sinopse apresenta como ponto de partida é, na verdade, o desafio final.

Aí o Chaleira tira a maleta do bolso e diz que deve ser aquele o objeto pretendido pela máfia. Os outros questionam o óbvio e ele diz que não o deixaram falar. É ridículo demais. Ele tinha a solução para o problema o tempo todo.

Salvando o final, vem a sequência do armazém, que é a melhor do filme. A estrela do Chaleira brilha e ele mostra sua habilidade. Aprendi a apreciar o humor, a velocidade da luta e a coreografia é muito boa. Pega pesado nas piadas, mas é engraçado.

O grupo tinha se dividido. Metade foi dizer a máfia b que estava sendo chantageado e a outra metade ficou com a máfia a. A b vai ao armazém e vira máfia contra máfia. Aí chega uma multidão de policiais liderados por um dos integrantes do grupo, que era um policial disfarçado. Surreal e caoticamente divertido.

Desafio superado, o chaleira vai à delegacia, é premiado e é beijado pela irmã do manifestante. Faz sentido, já que o clima entre eles foi maior frisado. O Jackie também foi prêmio, embora só tenha feito acidentalmente a maleta ir parar na van do grupo.

Na cena final, o Chaleira e o Jackie correm com suas noivas no colo. Lindo, não?

A sinopse de Perdedores e Vencedores sugerir que o filme é uma aventura policial estraga muito a experiência, pois influencia o espectador a assisti-lo esperando algo que o roteiro não irá entregar. Pior que isso, o espectador já chega de coração fechado para as piadas, já que não era o que ele queria/esperava ver.

Eu odiei boa parte do filme porque queria ver uma história boa do Jackie Chan e, além das piadas, o próprio é quase irrelevante. Quando eu entendi que não fazia sentido cobrar de Perdedores e Vencedores o que ele não prometia, a experiência melhorou muito.

As piadas variam de qualidade, mas há algumas boas. A questão amorosa me incomodou, embora o desfecho da irmã do manifestante tenha sido aceitável. A ação é acelerada demais, mas a sequência do armazém é boa e, no geral, a coreografia do filme é legal.

Um pepino narrativo é a grande quantidade de personagens centrais, pois ela faz eu me apegar pouco a cada um deles e até ter dificuldade para acompanhar o desenrolar da história. No final, eu não sabia se havia alguma pista para a reviravolta do policial disfarçado.

O filme tem seu charme, se visto com os olhos certos. Perdedores e Vencedores entrega com razoável qualidade aquilo a que se propõe fazer.

A minha experiência, sabotada pela sinopse e pelo pôster, fez o filme parecer pior do que ele realmente é.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s