Top 10 | Melhores encerramentos de Naruto Shippuden

É claro que após a lista dos melhores encerramentos de Naruto Clássico eu tinha que fazer uma com os do Naruto Shippuden. A principal diferença é que a quantidade de temporadas do anime faz o número de encerramentos ser absurdo (40). Conheça agora os 10 melhores encerramentos de Naruto Shippuden (e menções extras).

Décimo lugar — Blue Lullaby (37)

Este resume a vida do Naruto e os laços que ele formou. Para isso, usa quadros do mangá e faz uma animação mais simples, como se fossem os quadros em movimento. A retrospectiva frisa os toques na mão, um conceito estabelecido pelo Killer Bee. Funcionaria como encerramento final também por ter o Naruto com o manto de Hokage, uma clara alusão à capa do volume final da obra.

Nono lugar — Cascade (21)

Naruto manto estiloso vs Sasuke manga curta. Apesar da animação problemática, o encerramento usou a melhor fase de cada personagem, o ponto alto que o Kishimoto jogou fora bem antes da última batalha. Ter os dois crianças juntos no final é uma boa rima com a trajetória do laço deles.

O estranho é que a Sakura e a Hinata aparecem sem que haja alguma relação delas com o conflito, que é o centro do encerramento. É como se tivessem surgido apenas por serem apaixonadas pelos envolvidos.

Oitavo lugar — Shooting Star (1)

Este encerramento foca em dois aspectos: a tristeza que o Naruto e a Sakura sentem pela partida do Sasuke e a trajetória da relação do protagonista com o fujão. É eficientemente melancólico e a animação da trajetória é legal.

O encerramento faz bem o que pretende, mas me incomoda a repetição da melancolia. Eu já chorei com o Naruto triste olhando para o céu noturno e pensando no Sasuke, algo que aconteceu no encerramento 9 de Naruto Clássico. Entendo que o drama continua, mas faltou criatividade aos produtores do anime.

Sétimo lugar — For You (12)

Os três lendários e o Time 7 em versões infantis, seus sofrimentos e a Sakura como protagonista. Tirando a Sakura, que não faz muito sentido temático, é bem bom, interessante e fofo. Destaque para o trecho em que o Sasuke caminha e é coberto por sombras.

Sexto lugar — Flame (29)

É como uma abertura da guerra ninja. Não seria das melhores aberturas, mas tem aquele jeitão, com as lutas contra o vilão e o lado emocional do Obito. É eficiente. Não tenho nada em especial para destacar, mas o encerramento faz um básico bem feito.

Quinto lugar — It’s Absolutely No Good (31)

Este faz algo simples, mas inteligente. Naruto e Sasuke correm juntos enquanto crianças e, já adolescentes, se movem em direções opostas. O desfecho é um encontro que não sabemos se é amistoso. É uma demonstração muito boa da dualidade.

Costumo gostar um bocado de aberturas/encerramentos que remetam à lógica do livro do Sai (cada personagem avança de um lado do livro e se encontram na metade). Já comentei isso no vídeo sobre o segundo maior erro do Kishimoto em Naruto.

Quarto lugar — Spinning World (32)

O encerramento 32 é um caso interessante, como a abertura 15. Os dois são bem executados, mas significam algo péssimo: o fim do conflito Naruto/Sasuke (que é o tema do vídeo que mencionei antes).

Naruto e Sasuke começam lutando um contra o outro e depois enfrentam um exército juntos. No final, é mostrado um possível choque do Rasengan com o Chidori e descobrimos que o alvo é um inimigo em comum.

É lindo, é épico e os “quadros” iniciais são fantásticos, mas a união antes da batalha final é um balde de água fria na excelente tensão que o Kishimoto construiu ao longo de 52 volumes de Naruto.

Terceiro lugar — Such You, Such Me (36)

Este é fantástico. Ele foca na solidão, na dor e no ponto de vista do Sasuke. É um resumo de sua trajetória. O momento em que o Naruto estende a mão e o Sasuke ergue a kunai, vendo o Itachi mais atrás, me emocionou. Descreve perfeitamente a situação e a escolha do Sasuke no fim do Naruto Clássico.

Outro acerto do encerramento é mostrar como a interação dos irmãos Uchiha evoluiu com o tempo. O que era treino virou guerra e depois colaboração. Breve e bem executado.

Fechando com genialidade, o encerramento fez uma quebra de expectativa. É muito comum o Sasuke estar sozinho, mas, aqui, ele está junto com o resto do Time 7. Esse é o Sasuke que superou a dor. É muito bom.

Segundo lugar — A Promise That Doesn’t Need Words (33)

Há tempos eu queria falar sobre este. Ele sintetiza o ciclo do ódio, que é o tema central de Naruto Shippuden, e o faz de forma magistral. A princípio, temos as armas se afastando e as mãos se aproximando, como um sinal de reconciliação, mas que resulta na “morte” do Madara. Pode ser uma referência ao trecho do mangá em que o Madara pensou em se render para acabar com o conflito e seu irmão o incentivou a continuar a guerra.

O ideograma “shinobi” feito com sangue, acompanhado pelas cenas de guerra, é uma ótima alusão ao fato de que os ninjas causam morte e que a história daquele mundo foi escrita com sangue. Em seguida, o encerramento faz uma escolha genial: detalhar o sofrimento.

Izuna (irmão do Madara), Itama (irmão do Hashirama), acredito que o Kakashi, Minato e Kushina, Obito, Orochimaru, Kisame, Nagato e Yahiko, Jiraiya, acho que o Yashamaru, Itachi, Sasori, pai do Kakashi, Asuma, Neji, desconhecido, Tsunade e Dan, Hinata, Gaara, Sasuke e Naruto. Todos estes sofreram por causa da forma de governo que impera no mundo ninja.

Só de demonstrar muitas dores específicas essa ideia já é ótima. Ela não se esquece de sofrimentos menos importantes para o público, como o do pequeno Orochimaru ou o da Hinata.

O mais interessante é que o Naruto sempre é o bonzão, o cara que sai correndo e resolve tudo. Este é um dos poucos encerramentos/aberturas que o coloca apenas como uma das vítimas do ciclo do ódio.

A folha é o símbolo do sonho do Hashirama, que é o atual sistema das nações. Quando o Madara a deixa cair, é como se negasse a validade dessa forma de governo. A sequência seguinte é aquela lutinha básica do Madara contra o mundo shinobi.

Os detalhes interessantes voltam para fechar o encerramento. Quando o Madara faz o jutsu para colocar em prática o Tsukuyomi Infinito, há dois flashbacks dele criança com o Hashirama, pois juntos eles sonharam com um mundo melhor, com a Vila da Folha. Para o Madara, a ilusão global significa realizar aquele sonho.

Este encerramento é tematicamente genial, muito bem executado e é disparado melhor que todos os outros, incluindo várias aberturas. É como aquele trecho da invasão de Konoha no qual o Kishimoto demonstra perfeitamente a temática do ciclo de heróis e da sucessão de gerações. É brilhante.

Primeiro lugar — Rainbow’s Sky (34)

Este encerramento é genial. Ele mostra a história pelos olhos do tio do lámen. Vemos os laços, as gerações e os paralelos que são peça-chave da estrutura temática de Naruto. Destaque para o trecho do Naruto com a Hinata.

É o tipo de detalhe que o Kishimoto poderia ter feito para desenvolver o casal. Aí o paralelo é que o Naruto fica enjoado com a comida e a Kushina fica enjoada por estar grávida.

É também uma demonstração da trajetória do Naruto. Ele era apenas um menino sozinho na chuva, mas conquistou amigos e até mesmo o respeito dos 5 Kages. É muito emocionante.

Este devia ter sido o encerramento final de Naruto Shippuden. Como eu li no YouTube, talvez o tio do lámen tenha sido a primeira pessoa a aceitar o Naruto.

Menção honrosa 1 — U Can Do It (15)

Neste, o Naruto luta com o pessoal do time Gai e o Konohamaru. Eles usam roupas diferenciadas legais, sendo a mais inusitada a da Tenten. A coreografia é legal a cada luta e gostei muito da execução. Não é nada de outro mundo, mas divertir é melhor do que entediar, como vários encerramentos fazem.

Menção honrosa 2 — Broken Youth (6)

O encerramento 2 mostra a dualidade Naruto/Sasuke estilo samurai. É interessante, legal e até empolga, mas perderam a chance de fazer um final épico com luta de espadas. Ainda assim, a ideia vale o destaque.

Menção inusitada — Departure Song (39)

E se Naruto fosse sobre baseball? O encerramento é bem executado e finaliza com o selo da reconciliação e a devolução da bandana. Não posso dizer que é muito bom porque não há baseball em Naruto, mas gostei de tudo.

Menção não tão desonrosa — My Answer (10)

O episódio de praia que o mangá não tem. Este encerramento não é tão ruim quanto a sua contraparte do Clássico, pois mostra vários personagens e tem um cuidado artístico, um jogo de cores bem agradável. Há uma Tsunade suspeita, mas nada no nível da Hinata sem calças.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s